Vulvite e Vulvovaginite: veja como acontecem e como se prevenir

É muito comum as mulheres se queixarem do aparecimento de corrimento, geralmente, causado pela candidíase, provocado pelo fungo Cândida Albicans, principalmente no verão, quando costumam ficar horas com biquínis ou maiôs do tipo Lycra, molhados, pois é, claro que as causas podem ser também outras, porém, deixaremos a candidíase quietinha e falaremos agora de outras causas de corrimento, não tão divulgadas, mas também comuns, que são a Vulvite e Vulvovaginite, que nada mais são que inflamações da parte externa do órgão genital feminino (chamada vulva).

Leia Também: Endometriose: Saiba reconhecer e tratar

Vulvite e Vulvovaginite

Vulvite e Vulvovaginite

A vulvite é a irritação da vulva, e a vulvovaginite, da vulva e da vagina, que são provocadas, na maioria das vezes, por diversos micro-organismos, que causam o tão desconfortável corrimento. E as mesmas bactérias que originam a Candidíase, a Triconomíase e Clamídia podem desenvolver a vulvite e a vulvovaginite.

Acompanhe nossas dicas pelo Twitter


Antes de mais nada é preciso saber que a Vulvite e Vulvovaginite são inflamações da vulva e da vagina, respectivamente, e se manifestam através da vermelhidão, inchaço e ardor na região genital. Sua origem pode ser infecciosa, inflamatória, hormonal, e até por uso de produtos que provocam reações alérgicas, tratamentos quimioterápicos e falta da higiene íntima adequada.

Leia Também: 6 Técnicas para você combater a ansiedade

absorvente que causa alergia é um perico para Vulvite e Vulvovaginite
É importante salientar portanto que a vulvovaginite também pode ser causada pelo uso de produtos alérgicos, como calcinhas de tecido sintético, amaciantes, papel higiênico colorido ou perfumado, sabonetes perfumados, e também pelo (mal) hábito diário, do uso do chuveirinho como ducha vaginal.

Por ficarem mais sensíveis, muitas mulheres grávidas acabam desenvolvendo vulvites crônicas após o parto, geralmente provocadas por produtos químicos como sabonetes íntimos, o látex da camisinha e tampões vaginais. A sua imunidade baixa acaba facilitando o desenvolvimento de infecções mais facilmente.

Leia Também: Dicas imperdíveis para aliviar os sintomas da TPM

E as mulheres mais maduras também podem ser vítimas mais comuns, já que a menopausa também aumenta a predisposição à doença, com a queda dos hormônios e a consequente redução da secreção vaginal natural e a perda de elasticidade dos tecidos vaginais, assim, é mais fácil a região lesionar-se, o que abre caminho para infecções.

Leia Também: Dor de cabeça: Dicas para entender e combater

Sintomas da Vulvite e Vulvovaginite

-Corrimento;
-Vermelhidão;
-Inflamação da vulva;
-Prurido vulvar (coceira intensa na vulva)

Leia Também: Sauna, conheça os benefícios para corpo e para saúde

Vale frisar que só o médico poderá analisar e diagnosticar precisamente a vulvite e a vulvovaginite, assim como diferenciá-las das outras doenças sexualmente transmissíveis, principalmente, através do tipo de irritação, a textura e a cor do corrimento. E seu diagnóstico é feito, assim como nas doenças sexualmente transmissíveis, através de exames ginecológicos, e se for preciso, a vulvoscopia, procedimento realizado com o aparelho chamado colposcópio, o qual apmplia em até 40 vezes a região, possibilitando uma análise detalhada da vulva. Então, logo após o resultado, já é possível iniciar o tratamento, durante o tempo estabelecido pelo ginecologista, evitando uma possível nova infecção.

Leia Também: Retenção de líquidos: Descubra como eliminar

Prevenção:

Evite os seguintes hábitos diários:

como prevenir a vulvite e vulvovaginite

– Uso de roupas íntimas de tecidos sintéticos;

– Sabonete perfumado e com PH elevado;

– Sexo sem camisinha;

– Ducha vaginal;

– Uso de roupas justas na região genital;

– Uso de absorventes diários.

Leia Também: Higiene Pessoal Básica

Recomendações:

recomendações para evitar a vulvite e vulvovaginite
– Ao perceber os primeiros sintomas, não demore à consultar seu médico;

– A automedicação nunca é uma boa ideia, muito pelo contrário, pode ser bem perigosa, não é porque uma amiga usou tal creme que o mesmo servirá para você, qualquer tratamento deve ser indicado por um médico.

Leia Também: Saiba evitar reações alérgicas à maquiagem

– No entanto, se após os cremes ou qualquer outro tratamento sugerido pelo seu médico não der resultado, converse com ele, pois a recorrência de infecções vaginais como vulvite e vulvovaginite tem origem em um possível desequilíbrio da flora vaginal causada por diversos motivos: queda da imunidade, alergias, estresse, uso de calcinhas de tecido sintético e roupas muitos justas que não permitem a respiração da pele, falta da higiene adequada e relações sexuais sem proteção, após uma conversa poderá ser analisado qual fator pode estar contribuindo para a volta do problema.

Fonte: SAÚDE E MEDICINA; Vulvovaginite – Vulvite – Sintomas e Corrimento.

Uma Resposta

  1. Avatar Juliana abril 4, 2014

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.