Surto de febre amarela em MG preocupa e aumenta procura por vacinas

O Brasil está, atualmente, vivendo um surto de febre amarela que já matou mais de 70 pessoas no Estado de Minas Gerais.

Outros 112 casos estão sendo tratados ou investigados pelo Ministério da Saúde no Estado e também no vizinho Espírito Santo.

O alerta aumentou, significativamente, a procura por vacinas em todo o País.

Conhecida como febre amarela silvestre, devido à incidência, predominantemente, em áreas rurais, a doença é transmitida através da picada de mosquitos Haemagogus ou Sabethes.

Ainda não há confirmação se o mosquito aedes aegypt, transmissor da dengue, chikungunya e zika, também esteja espalhando o vírus.

Mosquito transmissor da febre amarela

Apesar de estar concentrada em áreas afastadas, no interior, há risco que a febre amarela silvestre ultrapasse as fronteiras e se espalhe nas grandes metrópoles.

Isso porque, segundo especialistas, se uma pessoa infectada com a febre amarela se desloque para a cidade e seja picado por um mosquito aedes aegypt, as pessoas que forem picadas por esse mosquito podem contrair a doença.

Já o contágio entre humanos não é possível.

Veja Também: Pessoas com sangue tipo O devem ter preocupação extra com mosquitos

Para se manter afastado deste surto é importante que a vacina contra a febre amarela esteja em dia, principalmente se você mora próximo a áreas rurais e de risco ou pretende viajar para regiões com bastante vegetação.

Caso não seja vacinado, procure imediatamente um posto de saúde e atualize sua carteirinha.

A vacina contra a febre amarela pode ser tomada a partir dos seis meses de idade, com recomendação, dentro dos padrões de normalidade, a partir dos 9 meses.

Caso a criança seja mais velha, a vacinação deve acontecer aos 5 anos de idade, com reforço aos 10. Tomada as duas doses na infância, a pessoa estará imune por toda a vida.

Veja Também: 7 vacinas que toda pessoa adulta precisa tomar

Quem não deve tomar a vacina contra a febre amarela

Apesar de garantir 95% de eficácia para a imunização contra a febre amarela, não são todas as pessoas que podem tomar a vacina.

Devido à sua baixa imunidade, portadores do vírus HIV, alérgicos à gelatina e ovo, grávidas, maiores de 60 anos, portadores de câncer e lúpus devem evitar a vacina, segundo recomendação da Agência Nacional da Saúde (ANVISA).

A mulheres que tomam a vacina contra febre amarela, recomenda-se que evitem engravidar em um período de 30 dias após a aplicação.

Salvo esses casos, todos devem estar atentos à carteirinha de vacinação e conferir se já foram imunizados na infância.

Caso não tenha sido vacinado é importante que ao menos uma dose da vacina seja tomada.

Veja quem não deve tomar a vacina contra a febre amarela

Segundo o Ministério da Saúde, com o aumento do número de vacinados contra a febre amarela, o risco do surto se transformar em uma epidemia pode ser reduzido drasticamente, o que permitirá o controle da doença.

Por isso, a colaboração e o envolvimento de toda a população no combate à doença é fundamental.

De acordo com o Ministério, a quantidade de vacinas disponibilizadas é suficiente para atender toda a população das áreas de risco. Só em Minas, a quantidade de vacinas chega a 1 milhão.

Veja Também: Zika: saiba quais os repelentes mais indicados contra o mosquito Aedes aegypti

Atente-se aos sintomas

Se você perceber qualquer sintoma que demonstre o aparecimento da febre amarela, procure imediatamente um hospital.

A doença tem como principais indícios a febre alta, cansaço, mal estar, diarreia, enxaqueca e dores por todo o corpo.

Normalmente os sintomas perduram por cerca de dez dias, mas em casos mais graves, pode levar à morte.

Em todo o mundo, todos os anos, cerca de 200 mil pessoas são infectadas com o vírus, das quais, 30 mil são levadas a óbito.

Veja Também: Receitas caseiras para afastar mosquito da dengue

Uma Resposta

  1. Marta Aldo fevereiro 17, 2017

Deixe um comentário