Síndrome de Ovário Policístico atinge 10% das mulheres

Mais comum do que se pode imaginar, a síndrome de ovário policístico (SOP), é uma doença na qual se verifica um desequilíbrio nos hormônios sexuais femininos, um distúrbio crônico que atinge cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva, e é um dos maiores responsáveis pela infertilidade feminina, entre outros problemas, tais como alterações no ciclo menstrual, alterações na pele, obesidade, pequenos cistos nos ovários e etc.

Leia Também: A verdade que ninguém nunca contou a você sobre HPV

Saiba mais sobre a Síndrome de Ovário Policístico

Quais as causas do Ovário Policístico

Para quem não sabe, os hormônios ajudam a regular o desenvolvimento normal de óvulos nos ovários durante cada ciclo menstrual, os hormônios sexuais femininos incluem estrogênio e progesterona, além dos hormônios chamados andrógenos (hormônios masculinos), presentes em mulheres, mas em quantidades diferentes, então, a síndrome de ovário policístico tem relação com o desequilíbrio nesses hormônios sexuais femininos, quando é produzido o hormônio andrógeno em excesso além de alterações em outros níveis hormonais.

Leia Também: Infográfico para entender as três fases do ciclo menstrual

Geralmente um ou mais óvulos são liberados durante cada ciclo menstrual, quando acontece a ovulação, já na síndrome de ovário policístico, os óvulos nesses folículos não amadurecem nem são liberados dos ovários, acabam formando cistos muito pequenos no ovário.

Leia Também: Dicas imperdíveis para aliviar os sintomas da TPM

O diagnóstico, geralmente, vem aos 20 ou 30 anos, mas a síndrome de ovário policístico também pode afetar adolescentes, aparecendo os sintomas quando começam os períodos menstruais de uma menina.

Leia Também:  Vulvite e Vulvovaginite: veja como acontecem e como se prevenir

Sintomas:

Sintomas da síndrome de Ovário Policístico


– Períodos menstruais irregulares que podem ser mais ou menos frequentes, variando de muito leves a muito intensos;
– Pressão arterial alta;
– Colesterol alto;
– Desenvolvimento de características sexuais masculinas: ( Tamanho reduzido das mamas; Aprofundamento do timbre da voz; Hipertrofia do clitóris; Aumento de pelos no peito, abdome e face, assim como ao redor dos mamilos (chamado hirsutismo); Rareamento dos cabelos, chamado calvície de padrão masculino;
– Alterações na pele: (Acnes que pioram; Marcas escuras ou grossas na pele e dobras ao redor das axilas, nas virilhas, no pescoço e nas mamas devido à sensibilidade à insulina);
– Também apontado como um dos sintomas da síndrome de ovário policístico (SOP), a resistência a insulina (hormônio responsável pela entrada de glicose na célula), que leva a um acúmulo de glicose no sangue, podendo até desenvolver diabetes.

Leia Também:  Como acabar com a acne na idade adulta

como prevenir a síndrome do ovário policístico

Por possuírem baixo índice glicêmico, as fibras podem ajudar a regular os níveis de insulina e a glicemia.

Tratamento:

dieta para tratar Síndrome de Ovário Policístico

– Dieta para perder peso ajuda com a diabetes, a pressão arterial alta, o colesterol alto, o desequilíbrio hormonal e também a infertilidade. A obesidade agrava o quadro hormonal, criando um ciclo vicioso, assim, perdendo peso através da alimentação saudável e da atividade física, se estará ajudando a corrigir o desequilíbrio. Vale observar que a dieta, a perda de peso é um verdadeiro remédio para tratar as manifestações da síndrome.

Leia Também:  Descubra como emagrecer comendo bem

– Medicamentoso (Pílulas anticoncepcionais ou comprimidos de progesterona; Metformina; Espironolactona e flutamida, entre outros).

– Creme de eflornitina para retardar o crescimento de pelos faciais assim como laser.

– Laparoscopia pélvica, para remover uma seção do ovário ou fazer orifícios nos ovários, para provocar a ovulação e combater a infertilidade.

Enfim, é de suma importância a atenção aos possíveis sinais assim como manter exames ginecológicos em dia, pois, embora seja uma doença bastante comum, seu agravamento pode, entre outras complicações, levar à infertilidade.

Acompanhe nossas dicas pelo Twitter

Adicionar comentário