Separação: 8 cuidados que as mulheres devem tomar para não serem surpreendidas

A separação de um casal não precisa ser um sinônimo de brigas.

Apesar de ser delicada a situação, alguns cuidados podem ser tomados por ambos para que a transição entre o divórcio e a vida de solteiro seja feita de forma gradual e tranquila.

Alguns cuidados que as mulheres devem tomar para não serem surpreendidas poderão evitar um desgaste emocional se partir delas a decisão de separar do marido ou companheiro.

Veja: 8 Coisas Sobre o Divórcio que Toda Mulher Precisa Saber

Veja Também: Quando a Traição é a Causa do Divórcio, o que Muda?

E mais: 9 sinais de que seu marido ou namorado está apaixonado por outra mulher

Separação: 8 cuidados que as mulheres devem tomar para não serem surpreendidas

1 – Mantenha os bens do casal no nome de ambos

Ainda que o regime de casamento seja a comunhão parcial de bens, manter o patrimônio no nome de ambos irá prevenir retaliações no momento da separação, dificultando a dilapidação desse patrimônio.

Veja Também: Como aceitar o divórcio e ser uma pessoa feliz

2 – União estável

Se o seu companheiro não quer enveredar-se em um casamento, o ideal é ter um contrato de união estável registrado em cartório.

Isso irá garantir seus direitos em uma eventual separação, sem o desgaste de maiores discussões, vez que a atual legislação trata de forma igualitária a união estável e o casamento em regime de comunhão parcial de bens (quando não há manifestação sobre o regime).

Este contrato poderá prever de maneira diferente a forma de divisão de bens, assim como a destinação dos mesmos em ocorrendo o falecimento de uma das partes.

Veja Também: Divórcio: como proceder e por onde começar

3 – O que fazer se meu companheiro não quer sair de casa?

Esta é uma questão que recorrentemente muitas mulheres têm dúvida no momento em que decidem separar.

Não raro, o homem se recusa a sair do lar e proceder a uma separação amigável.

A fim de evitar maiores transtornos com acusações de abandono do lar, como previsto no artigo 1.573, inciso IV, do Código Civil, o ideal é a mulher, deixando o lar conjugal no caso de recusa do homem em sair, imediatamente procurar um advogado de confiança para proceder aos trâmites legais para romper os laços de união.

Veja Também: 8 sinais de que seu parceiro está a um passo de te deixar

4 – Meu marido/companheiro é violento e tenho medo de separar

Manter-se vinculada a uma pessoa por medo é torturar-se diariamente.

Se seu marido ou companheiro é agressivo e você já decidiu pela separação, requeira as medidas judiciais cabíveis, com fundamento na Lei Maria da Penha, para que ele seja afastado do lar.

Concomitantemente, ingresse com uma ação de divórcio.

Tenha em mente que as medidas cautelares só terão efeito no caso de violência doméstica em que o marido/companheiro responderá perante a justiça criminal por seus atos, não podendo a referida lei ser utilizada para separação com o fundamento de que ele não quer sair de sua própria casa.

Portanto, apenas com histórico de violência ou ameaças é que se pode ter o suporte da Lei Maria da Penha.

Veja Também: 7 lições que um relacionamento ruim pode te ensinar

5 – Conversa sincera e sem alterações

Se a mulher já decidiu pela separação, o mais importante é ter uma conversa franca com o marido ou companheiro.

Evite esse diálogo em momento de discussões e alterações no estado de espírito.

No caso de haver outra pessoa em sua vida, não é necessário comunicar este fato para não machucar os sentimentos do outro no momento de separar.

Isso irá evitar uma reação negativa e uma situação mais desgastante para lidar.

Veja Também: A ciência comprova: é melhor estar solteira e feliz do que mal acompanhada

6 – Converse com os filhos

A decisão de separar não é algo que afeta somente o casal.

Os filhos costumam ser muito atingidos, pois terá diminuída sua convivência com um dos pais, sofrendo uma grande modificação em sua rotina.

Os filhos devem fazer parte das decisões em um processo de separação, sempre com muito tato.

Assim, eles verão que o fim do casamento dos pais não significa uma necessidade de escolha de com quem ficar e que vida levar.

A dinâmica familiar mudará com a separação, mas o amor por eles continua.

Veja Também: 8 sinais de que o amor dele por você acabou

7 – Filhos e as datas comemorativas

Evite surpresas desagradáveis nas datas comemorativas.

Na separação, já deixe definido como serão as visitas nas datas comemorativas.

As principais, e que muito surpreendem com brigas, são: natal, ano novo e aniversário.

Obviamente que os casais que se separam e que se dão bem costumam deixar essas datas livres e decidem com quem os filhos ficarão quando da proximidade dessas.

Porém, para prevenir, o melhor é deixar estipulado com muita antecedência com quem será o natal e ano novo, revezando essas datas anualmente.

Quanto aos aniversários dos filhos, tenha em mente que o casal deverá ou conciliar para estarem juntos em tais eventos, ou determinar horários compatíveis no dia para cada um.

E mais: A Alienação Parental e suas Consequências para Pais e Filhos

8 – Prepare-se para possíveis conflitos durante a separação

Nem tudo depende de você quando decide se separar. É preciso estar preparada para todo tipo de conflito possível.

Não minimize a possibilidade do seu marido/companheiro ficar agressivo, ou tentar colocar seus filhos contra você, por exemplo.

Pense nas piores coisas que podem acontecer e na solução imediata que deve tomar caso ocorra o evento.

Estar um passo à frente é importante para poder remediar as consequências da decisão de separação, ou você poderá ficar um bom período apenas correndo atrás de prejuízos causados pelo seu ex-marido ou companheiro.

A decisão de separação nunca é simples ou fácil.

Mantenha o foco, a calma, e não se deixe abater por situações tensas.

A pressão poderá existir, mas se você está decidida a se separar, siga firme em seus passos para uma felicidade maior.

Veja Também: 5 Dicas para superar uma separação

Add Comment