Quando a Traição é a Causa do Divórcio, o que Muda?

A traição é uma das causas mais comuns do divórcio.

Não importa o tempo de casados, o status social, ter ou não ter filhos, ser ou não ser feliz no casamento.

Muitas vezes a traição ocorre e ela é dolorosa.

Saber lidar com a traição no casamento é amargo, principalmente se ela ocorre de forma reiterada e vexatória para a pessoa traída.

Muitas são a forma de traição, e não somente aquela que se consuma com a relação sexual entre o traidor e terceira pessoa.

A boa-fé e confiança são bases de um casamento e todo abalo a esses princípios constituem traição.

Veja: Como Investigar Uma Suspeita de Traição

Veja Também: 5 características que as pessoas infiéis têm em comum

Traição é a causa do divórcio

São algumas formas de traição que resultam em divórcio:

  • Relação sexual com terceiros;
  • Relacionamentos por internet;
  • Troca de mensagens e imagens íntimas pela internet ou celular.

Portanto, a ideia de que traição consiste unicamente com contato íntimo sexual é equivocada, pois vivemos em uma era tecnológica em que muitas relações são construídas no meio virtual.

Veja Também: 9 sinais de que um homem está saindo com mais de uma mulher ao mesmo tempo

O que muda quando a traição é a causa do divórcio?

As mudanças ocorridas na vida após uma traição podem ser grandes ou pequenas, mas algo sempre muda.

Tudo dependerá da sua forma de encarar a situação.

Algumas mudanças são impossíveis de não ocorrerem, como, por exemplo, a rotina diária onde o cônjuge não mais estará presente.

Se você já possui um emprego e tem sua independência financeira, este aspecto não terá grande impacto, já que terá como se sustentar.

Ainda que tenha renda suficiente para o próprio sustento, tenha em mente que o padrão de vida pode sofrer uma queda devido ao fato da renda do outro cônjuge não mais contribuir para a estrutura familiar.

Tendo filhos, haverá mudanças significativas.

Primeiro o casal deverá decidir, quando do divórcio, quem permanecerá com a guarda dos menores.

Sendo apenas um cônjuge lidando com as crianças, os horários devem sofrer modificações para poder levá-los à escola e ainda ir trabalhar sem que ninguém chegue atrasado.

O que mais muda quando a traição é a causa do divórcio é a relação de respeito que o casal tinha.

O cônjuge traído perde a confiança e passa a não mais contar com qualquer tipo de ajuda do traidor.

Até mesmo por uma questão de mágoa e sentimento de respeito próprio, o traído prefere cortar relações por completo por um período, geralmente, longo.

Veja Também: 8 Coisas Sobre o Divórcio que Toda Mulher Precisa Saber

Divisão de bens quando a traição é a causa do divórcio

O regime de bens estabelecido no momento do casamento prevalece, ainda que a divisão de bens seja decorrente de um divórcio por traição.

Assim, a traição do cônjuge não é argumento para permanecer com uma parcela maior de bens no divórcio.

Veja Também: Divórcio: como proceder e por onde começar

Guarda dos filhos em divórcio por motivo de traição

A guarda dos filhos é outra questão que traz muitas dúvidas, já que muitos acreditam que o divórcio por traição dá direito ao traído de permanecer com a guarda dos filhos, independentemente de outros fatores, e não é isso que ocorre.

A guarda será definitiva em favor daquele que melhores condições têm a oferecer aos filhos.

Essas condições são se referem somente ao financeiro, mas estrutura psicológica e moral também.

Ainda que a traição seja vista como imoral, ela, por si só, não é fator para impedir que o cônjuge que traiu detenha a guarda dos filhos.

Veja Também: A Alienação Parental e suas Consequências para Pais e Filhos

Dano moral em divórcio por motivo de traição

O art. 186, do Código Civil de 2002, informa:

Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Em uma primeira leitura, percebemos que a lei não determina os atos que constituem uma violação moral e, portanto, o divórcio ocorrido por motivo de traição pode ensejar dano moral.

Para tanto, é preciso que se comprove que a traição causou abalos psicológicos e emocionais profundos, indo além do abalo natural que a própria traição causa.

Assim, se o traidor, por exemplo, expõe a pessoa traída a vexames perante parentes, amigos ou vizinhos ao manter uma relação aberta com a amante, pouco se preocupando com os sentimentos alheios, o dano moral é cabível.

Todo tipo de constrangimento perante terceiros, oriundos da traição, como comentários pejorativos ou humilhações públicas, são passíveis de dano moral.

Como se verifica, as mudanças ocorridas quando a traição é causa do divórcio costumam ser mais evidentes no íntimo da pessoa, sendo estas as mais difíceis de lidar.

A ajuda de um psicólogo, seja para si mesma e/ou filhos, é de suma importância para que se possa dar continuidade à vida de maneira mais equilibrada.

A rotina será modificada, a vida e seu padrão também, porém, o recomeço em algo melhor é uma mudança positiva na vida de quem foi traída e precisa levantar a cabeça e continuar a caminhar.

Se este é seu caso, não perca tempo com brigas desnecessárias.

Siga em frente!

Veja Também: 5 Dicas para superar uma separação

Add Comment