Assédio Moral no Trabalho: Saiba Como Identificar e se Defender

O assédio moral no trabalho caracteriza-se como o submetimento de um trabalhador a uma situação constrangedora, humilhante ou vexatória, de forma repetida e ao longo da jornada de trabalho.

Normalmente, o assédio moral no trabalho é vislumbrado nas relações de hierarquia entre o assediador e o empregado subordinado, de maneira a desestabilizá-lo de tal maneira que torna-se insustentável a continuidade no emprego, resultando em um pedido de demissão.

Porém, muitas vezes o assédio moral no trabalho é praticado por colegas de mesmo nível hierárquico, através de gozações, humilhações e comentários depreciativos que terminam por levar toda a equipe ao riso.

O que parece ser uma simples brincadeira pode ser – como muitas vezes é – assédio moral.

Veja Também: 6 coisas que você faz e que irritam seus colegas de trabalho

Assédio Moral no Trabalho: Saiba Como Identificar e se Defender

O assediador age de forma negativa em relação ao assediado, degradando suas condições laborativas ou pessoais, o que torna a produtividade aquém do esperado.

O resultado final é um trabalhador que traz prejuízos à organização pela baixa produtividade, além de passar a ter problemas emocionais e físicos em razão do assédio moral no trabalho.

Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), este tipo de violência psicológica é verificada em diversos países, sendo uma das principais causas de distúrbios psíquicos em países desenvolvidos, como Alemanha e Estados Unidos.

A humilhação repetida e prolongada no tempo, um dos aspectos da violência moral no trabalho, influencia na vida laboral, pois compromete diretamente a identidade da vítima e sua dignidade.

Veja Também: 11 Motivos para as Empresas Contratarem Mais Mulheres

Como identificar o assédio moral no trabalho?

A identificação do assédio moral no âmbito laboral nem sempre é tão fácil, mas algumas atitudes demonstram que é bem possível que a agressão esteja ocorrendo:

  • Isolamento do assediado de seu grupo de trabalho, sem justificativa plausível;
  • Hostilização, ridicularização de seu trabalho, inferiorização;
  • Humilhações, gozações, ‘brincadeiras’ de cunho depreciativo sobre aspectos físicos, psicológicos, ou laboral da vítima;
  • Fazer com que a vítima seja desacreditada de seu potencial e do trabalho prestado diante dos colegas.

Os demais funcionários, por medo de perderem seus empregos, muitas vezes identificam o assédio moral no trabalho, mas nada fazem no sentido de ajudar o colega assediado, chegando, não raro, a reproduzir os atos do agressor para manter-se no seu posto.

Estes atos colaboram para que a vítima perca sua autoestima, tornando-se extremamente frágil diante do assédio sofrido.

Veja: 4 coisas que mulheres extremamente bem sucedidas fazem antes do almoço

Atos isolados podem ser considerados assédio moral no trabalho?

Os atos isolados não são considerados como assédio moral, tendo em vista que este pressupõe a existência de alguns elementos, como:

  • Repetição sistemática dos atos praticados;
  • A vontade deliberada em fazer o colega pedir demissão ou intenção de ridicularizá-lo;
  • O ato ser direcionado a uma pessoa específica do grupo de trabalho;
  • Os atos serem praticados ao longo da jornada de trabalho, por vários dias ou meses.

Veja Também: 8 coisas que pessoas bem-sucedidas têm em comum

Como se defender do assédio moral no trabalho?

Evitar que o assédio moral no trabalho ocorra é tarefa complicada.

Quando o assediador decide atacar sua vítima, ela pode apenas se defender, não tendo como impedir que os ataques iniciem.

É preciso que você saiba que a culpa não é sua.

O assédio moral pode ocorrer por diversos motivos:

  • competitividade,
  • medo de perder o cargo para você,
  • ou um simples ‘não ir com a cara’.

Independentemente do motivo, a prática é abominável e alguns procedimentos de defesa podem e devem ser utilizados.

Muitos brasileiros escondem da empresa que estão sofrendo um assédio moral por receio de perderem o emprego.

Contudo, esta atitude só irá fazer com que o agressor intensifique os ataques.

Procure alguém de confiança na empresa para contar sobre o ocorrido, e, até mesmo, o setor de Recursos Humanos.

Documente todas as abusividades cometidas contra você.

E-mails, mensagens, ofícios ou mesmo gravação de voz serão essenciais.

Apesar de sempre surgir a dúvida se a gravação de voz é legal, caso a vítima esteja gravando a própria conversa com o agressor, é totalmente lícita a gravação.

Dirija-se ao sindicato de sua categoria ou ao Ministério Público do Trabalho, pois ambos podem oferecer ajuda e suporte em situações de assédio moral no trabalho.

Se nenhuma providência for tomada, converse com um advogado e peça orientações de como proceder, pois você poderá ajuizar uma ação na Justiça do Trabalho.

Veja Também: Violência Doméstica: O Que Fazer, Como Denunciar e se Defender

Como as empresas podem evitar o assédio moral no trabalho?

Grandes empresas, como a TIM e Petrobrás, por exemplo, possuem um canal de diálogo com os funcionários, uma espécie de Ouvidoria.

Através desse canal a vítima do assédio moral no trabalho poderá relatar à empresa o que ocorre para que esta tome as providências cabíveis imediatamente.

O interesse em manter um ambiente saudável de trabalho também é do empregador e, por este motivo, você não deve ter receio em procurar ajuda dentro do seu local de labor.

Um ambiente desequilibrado traz prejuízos organizacionais, pois a motivação da vítima cai e sua produtividade deixa de ser a esperada.

Portanto, denuncie à empresa.

Veja Também: Mulher grávida pode ser demitida? Tire suas dúvidas

Add Comment